Quanto vale contar com gráficos perfeitos e a maior taxa de FPS (frames por segundo) imaginável para detonar nos jogos? Para gamers radicais vale muito, muito mesmo e alimenta uma corrida armamentista entre Nvidia e AMD no desenvolvimento dos processadores gráficos mais velozes, modernos e versáteis do mercado. Para dar uma geral no efervescente cenário das placas de vídeo, o INFOlab testou as placas mais rápidas do mundo no momento e três opções intermediárias, com opções para quem se dispõe a gastar de 699 reais a 4 599 reais.

Todos os modelos estão prontos para exibir jogos e filmes em 3D estereoscópico e suportam a tecnologia DirectX 11, que traz como uma de suas novidades a tesselação (tessellation), técnica que usa núcleos da GPU para gerar mais triângulos dividindo os polígonos existentes na imagem. Quando aplicada em objetos 3D, a tesselação proporciona contornos mais suaves e efeitos de movimento mais ricos e detalhados. Considerando força bruta para rodar games (como Metro 2033) e benchmarks (como o 3Mark 2011 Professional) que exploram os efeitos mais modernos do DirectX 11, as placas GeForce GTX, da Nvidia, apresentam uma superioridade incontestável. A AMD tenta equilibrar a parada aliando desempenho e preços mais palatáveis em suas Radeon HD. Confira nos textos a seguir como as cinco placas se saíram no INFOlab.

Clique em cada imagem para acessar o review completo

Ares (2x HD 5870) – Nota 8,7
A atual placa de vídeo mais veloz do mercado, a Ares, da Asus, é um foguete com duas GPUs Radeon HD 5870 e 4 GB de memória em um único corpo produzido em uma série limitada de 1 000 unidades. Ela pesa mais de dois quilos, ocupa a área de três slots dentro do gabinete e exige uma fonte modular de pelo menos 750 watts (o ideal é uma de 1 000 watts). Como esperado, o desempenho da Ares nos testes do INFOlab foi arrasador. Seu elaborado sistema de refrigeração também merece aplausos por manter a temperatura das GPUs abaixo de 64 graus durante as partidas. Muito apropriadamente, a Ares é vendida em uma maleta parecida com aquelas que costumam aparecer nos filmes transportando artefatos letais. Curtiu? Então aproveite o momento até descobrir o preço do brinquedo, que é de 4.599 reais.

GTX 580 – Nota 8,3
Se compararmos as GPUs (puras e simples, sem placas rodando em paralelo) a carros, a GeForce GTX 580, da Nvidia, seria equivalente a um F1. Esse, que é o motor mais potente para jogadores de PC, traz 1,5 GB de memória GDDR5, 512 processadores de stream e a maior compatibilidade com tessellation (tesselação) existente no mercado. No entanto, todo esse poder de fogo esvazia qualquer bolso. Quem se interessar pode levar a GTX 580 para casa pela bagatela de 1.699 reais, isso se ela couber em seu gabinete, pois ela é uma das placas de vídeo mais compridas.

HD 6870 – Nota 7,9
A placa de vídeo HD 6870, da AMD, está entre as mais recentes e poderosas aceleradoras da fabricante. Sua relação custo-benefício é alta: graças aos 1024 MB de memória GDDR5, com interface de 256 bits e que trabalha a 4,2 GHz, ao lado do seu processador Barts, com 900 MHz de clock, a controladora faz valer os 899 reais normalmente pedidos no mercado. No INFOlab, a placa apresentou resultados variados, mas, no geral, muito positivos – chegou a desbancar a GeForce GTX 580 no Crysis. Testamos a versão construída pela própria AMD/ATI, sem overclock por padrão e cujo design consideramos muito belo, com uma ressalva: seus 26,3 centímetros de profundidade não serão benvindos em qualquer gabinete.

HD 6850 – Nota 7,9
A AMD tenta se manter competitiva e desbancar a Nvidia com a Radeon HD 6850, uma placa que alia bom desempenho e preço mais em conta. Por 699 reais, os jogadores mais exigentes e com bolso mais apertado podem levar essa placa com 960 processadores de stream, 1 GB GDDR5 e GPU com clock de 775 MHz para casa.

GTX 470 – Nota 7,8
A GTX 470, de 1280 MB de memória, segue no topo da montanha de placas de vídeo NVIDIA, abaixo somente dos produtos da série 500, mal tirados do forno, e da GTX 480, com a qual compartilha o chip GF100. A aceleradora é baseada na vigente arquitetura Fermi e possui 1280 megabytes de memória GDDR5, cuja interface é de 320 bits. A versão que testamos,fabricada pela Galaxy, vem com overclock por padrão (assim como praticamente todas as outras versões disponíveis para venda): o processador roda a 625 MHz, ao invés dos 607 MHz originais. A GTX 470, num PC de boa configuração, é capaz de rodar qualquer jogo com alto nível de detalhe, inclusive os feitos para DirectX 11 e é encontrada por 1100 reais, em média aproximada.

fonte: INFOLAB / Info Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*
*
Website